Marcelo Andrade Soares

Aos cinco anos de idade, Marcelo Soares Andrade ganhou um cinema do avô paterno. Dos cinco aos 13, suas peças de teatro, inspiradas nos livros herdados pelo avô materno, alimentaram a caixinha do grupo escolar da pequena cidade mineira de Cajuri, próxima a Viçosa. A arte desde cedo esteve presente na vida do hoje ator, diretor de teatro, produtor cultural, presidente da ONG Humanizarte e idealizador do programa TIM ArtEducAção.

Durante 18 anos de sua vida, Marcelo trabalhou como professor de Matemática e teatro em vários colégios de Viçosa e região. Para amenizar a tensão dos alunos com os exercícios da matéria, Marcelo decidiu ler crônicas nos cinco minutos iniciais das aulas. A leitura despertava a imaginação dos alunos e melhorava o raciocínio significativamente. No final do ano, o resultado: a aprovação subiu de 40% para 90%.

Marcelo então descobriu o poder transformador da arte. E, em 1993, quando um ex-aluno era prefeito de Viçosa, o professor foi convidado para ser secretário de Cultura da cidade. Em sua gestão, foi criado o Centro Experimental de Artes da Viçosa que oferecia oficinas artísticas gratuitas para os alunos da rede pública de ensino. O sucesso da iniciativa foi tanto que em 2001, com apoio da empresa de telefonia TIM por meio da lei de incentivo à cultura as oficinas se espalharam por 12 cidades mineiras.

Hoje, com 11 anos de história, o programa TIM ArtEducAçaõ, idealizado por Marcelo, atende anualmente cerca de 5.000 crianças e adolescentes de escolas públicas que participam gratuitamente de oficinas artísticas de teatro, dança de rua, dança contemporânea, dança de salão, jazz, balé, danças folclóricas, canto coral, percussão, música, contação de história, circo, arte digital e artes plásticas. O programa também foi implantado em 17 cidades da Bahia e duas em Sergipe.

Também idealizado por Marcelo, o projeto “Grandes Escritores” levou durante oito anos nomes consagrados da literatura do país, como Affonso Romano de Sant’Anna e Marina Colasanti, para 55 cidades de quatro estados brasileiros: Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia e Espírito Santo. Nos encontros, os autores falavam sobre suas histórias de vida e, para incentivar a leitura, as bibliotecas públicas e universidades visitadas recebiam doações dos livros comentados.

Das mãos de Andrade também foi criado o “Escritores Brasileiros”, que através de parceiras com o Centro Cultural Banco do Brasil de Brasília e do Rio de Janeiro e com o SESC-Brasília, foi realizado o projeto “Escritores Brasileiros”. Nos eventos, que aconteceram em todas as capitais dos estados brasileiros, grandes escritores nacionais se encontraram com funcionários do Banco do Brasil para falar um pouco sobre as suas obras e histórias de vida ao lado de atores famosos, como Regina Duarte, Marília Pêra, Vera Holtz e Eduardo Moscovis, que liam trechos dos livros comentados.

No teatro, são várias as peças produzidas e dirigidas por Marcelo, à maioria delas adaptações de obras literárias brasileiras. Em “O Grande Mentecápto” de Fernando Sabino, além de produzir e dirigir, Marcelo atuou como personagem principal, o Viramundo, durante dez anos em vários estados do país. “Hilda Furacão”, obra de Roberto Drummond, também foi dirigida e adaptada para teatro por Andrade e foi um grande sucesso em Belo Horizonte e São Paulo entre 1997 e 1999. “Capitães de Areia”, de Jorge Amado, personagem interpretado por Marcelo, também foi adaptada e dirigida pelo ator para um espetáculo de dança que visitou várias capitais do país. “A Aurora da Minha Vida”, de Naum Alves de Sousa, “Comunhão de Bens”, de Alcione Araújo “Projetos para um dia de Amor”, baseado em crônicas e poesias de Affonso Romano de Sant’’Anna, “E por falar em amor”, de Marina Colasanti, “Anarquistas Graças a Deus” e “Um Chapéu para Viagem”, de Zélia Gattai, também foram espetáculos produzidos e dirigidos por Marcelo.

Neste ano, está em implantação, através da ONG Humanizarte, presidida por Marcelo, um programa de ArtEducAção Digital nas 12 cidades participantes do TIM ArtEducAção com o objetivo principal de incentivar adolescentes entre 14 e 18 anos, a utilizarem a arte digital para criarem minitextos que reflitam sobre o mundo em que vivemos. Em parceria com o Governo de Minas o ArtEducAção Digital também está sendo implantado em cinco escolas públicas de Belo Horizonte, Juiz de Fora, Ponte Nova, Cataguases, Leopoldina e Viçosa.

“Ao relembrar essas histórias, percebo que experimentei através da arte e da leitura a modificação de milhares de vidas. Tenho certeza, que mesmo diante de todas as mudanças ocorridas na sociedade, o ato de refletir e se emocionar artisticamente transforma comunidades e é o verdadeiro alicerce para a construção de uma sociedade mais humana e justa. A arte transformou a minha vida e consequentemente a de muitos”, diz Marcelo Andrade.